Notícias

Professora Tamara Van Kaick representará o Studio Cidades Biodiversidade junto ao 27º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental:

“Saneamento, Ambiente e Sociedade: Entre a gestão, a política e a tecnologia”,

Centro de Convenções de Goiânia, de 15 a 19 de setembro de 2013, Goiânia/GO.

Entrevista com Tatiana Gadda para a CBN
21/02/2013

http://www.cbncuritiba.com.br/site/texto/noticia/Entrevista/9964

“Guia verde” da ONU destaca UTFPR

06/02/2013 | 00:11 | RAFAEL WALTRICK, Gazeta do Povo

Professores e universitários curitibanos formam grupo que alia planejamento urbano à conservação da biodiversidade

Em uma pequena sala na Universidade Tecnólogica Federal do Paraná (UTFPR), um grupo de professores e estudantes trabalha há quase um ano em um modo de conciliar o desenvolvimento das cidades brasileiras à conservação da biodiversidade. Eles integram um projeto chamado Studio Cidades e Biodiversidade. Os studios são iniciativas fomentadas pela Organização das Nações Unidas (ONU) em universidades de todo o mundo com o objetivo de discutir ações e maneiras de incluir o cuidado com o meio ambiente no planejamento urbano das cidades.

A iniciativa na UTFPR envolve 22 alunos e cinco professores, de nove diferentes áreas, que vão de planejamento urbano e ecologia até desenvolvimento social, direito e economia. Apesar de ser relativamente recente – o grupo foi criado em março do ano passado –, a experiência do studio curitibano foi escolhida para figurar em um guia que será lançado pela ONU, ao lado de outras sete universidades de países como Armênia, Índia, Espanha e Japão.

A publicação servirá de referência para gestores públicos que queiram abraçar a conservação da biodiversidade em suas políticas públicas. A intenção é lançar luz sobre o tema e chamar a atenção para os efeitos adversos consequentes da extinção das áreas verdes e espécies animais.

Treinamento

Os primeiros efeitos dessa aproximação entre academia e poder público já puderam ser percebidos em junho de 2012, durante a Rio +20, Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável. Convidado pe­­lo Ministério do Meio Am­biente, o grupo da UTFPR promoveu um treinamento para 32 gestores públicos de 13 municípios brasileiros – principalmente secretários municipais de Meio Ambiente.

No curso relâmpago, feito ao longo de quatro horas, os gestores precisaram apresentar soluções e trocar ideias sobre problemas envolvendo a conservação da biodiversidade e demandas locais de quatro municípios fictícios. A experiência foi considerada positiva e a intenção agora é criar treinamentos itinerantes feitos para regiões específicas, tanto no Paraná quanto em outros estados – desta vez, com muito mais tempo para discussão.

Disponível em: http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/meio-ambiente/conteudo.phtml?tl=1&id=1342580&tit=Guia-verde-da-ONU-destaca-UTFPR

Curitiba é projeto-piloto para ajudar o Brasil a cumprir compromissos assumidos na Convenção sobre Diversidade Biológica

22/08/2012 Luciene de Assis, MMA

Fazer com que as cidades usem, de forma sustentável, a diversidade biológica local é a primeira das 20 Metas de Aichi, e um dos temas que integram a listas dos compromissos assumidos pelos 193 países componentes da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB). Nesse sentido, o Brasil já está desenvolvendo um projeto-piloto em Curitiba, experiência apresentada pela professora Tatiana Gadda, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, em reunião ocorrida na Secretaria de Biodiversidade e Florestas (SBF) do Ministério do Meio Ambiente na tarde desta segunda-feira (20/08), para debater o tema Cidades e biodiversidade.

“Trata-se de iniciativa do Instituto de Estudos Avançados da Universidade das Nações Unidas (UNU), em desenvolvimento em outros países com o objetivo de alcançarmos as Metas de Aichi”, explica Tatiana Gadda. As metas foram extraídas da 10ª Convenção sobre Diversidade Biológica (COP-10), realizada em Nagóia, Japão, em 2010.

ORIENTAÇÃO

Para a professora, a experiência de Curitiba, iniciada em março deste ano, permitirá a formulação de um guia para nortear estados e municípios brasileiros a desenvolverem ações que privilegiem a conservação da biodiversidade local.  “O principal aprendizado é que a biodiversidade ultrapassa as fronteiras dos municípios e as políticas locais precisam ser coerentes com esse fato”, sugere.

Como representante da UNU na reunião sobre Cidades e biodiversidade, o pesquisador sênior adjunto da instituição, Tony Gross, disse que, apesar de quase todos os 193 países da CDB se preocuparem com sustentabilidade e biodiversidade, os investimentos realizados nos últimos dez anos não conseguiram reverter as taxas de perdas da diversidade biológica, embora haja consenso de que essas perdas resultam em sérias consequências para todos os países. “Biodiversidade é a base da provisão de vários recursos ecossistêmicos, como água, clima, polinização, segurança alimentar, entre outros pontos”, enfatizou.

Em se tratando de desenvolvimento sustentável, as cidades representam papel essencial. “As cidades consomem, de forma predatória e negativa, a biodiversidade em geral, como o consumo descuidado da água, as emissões de gases poluentes e qualidade de vida ligada à mobilidade, já que o mundo não é mais rural, inclusive o Brasil”, esclareceu a analista ambiental da SBF Lúcia Lopes. O ponto positivo, segundo ela, é que as cidades podem melhorar esse panorama, não só do ponto de vida da biodiversidade em geral, como no que se refere ao consumo de água e na criação de parques, facilitando a manutenção da diversidade biológica da região.

EXPERIÊNCIA

O assunto debatido na reunião envolveu, também, representantes da Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano (SRHU); da Assessoria Internacional do MMA; do Programa de Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa); do banco alemão para desenvolvimento sustentável (GIZ); do Departamento de Geografia e Ecologia da Universidade de Brasília (UnB); e Da ONG Iclei, sigla em inglês para Governos Locais pela Sustentabilidade.

O evento já rendeu os primeiros frutos, segundo Lúcia Lopes, que recebeu correspondência enviada, na manhã desta terça-feira, pelo coordenador do Programa de Biodiversidade e Cidades da Convenção sobre Biodiversidade (CDB) da Organização das Nações Unidas (ONU), Oliver Hillel, considerando a iniciativa da extremamente positiva. Hillel acredita que a experiência brasileira poderá estimular outros países a se organizarem para, igualmente, tornar suas cidades.

Studio Cidades e Biodiversidade desenvolve no Câmpus Curitiba relatório pioneiro para ser apresentado na COP 11

26/06/2012 – UTFPR

Studio Cidades e Biodiversidade desenvolve no Câmpus Curitiba relatório pioneiro para ser apresentado na COP 11

Um dos encontros do grupo de trabalho do Studio Cidades e Biodiversidade no Escritório Verde da UTFPR, Câmpus Curitiba.

O Câmpus Curitiba está sediando os encontros do grupo de trabalho do Studio Cidades eBiodiversidade, uma iniciativa da Universidade das Nações Unidas (UNU-IAS), da Secretaria da Convenção para Diversidade Biológica (SCBD) e a ICLEI – Local Governments for Sustainability, de cuja UTFPR é parceira. Há previsão é de que as reuniões, iniciadas em março deste ano, se estendam até julho, quando um relatório final das atividades relativas ao Studio será entregue à ONU, para apresentação oficial na 11ª Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP11), que aconteceem outubro na Índia.

O Studio pretende ser uma ferramenta de avaliação do Plano de Ação para a Biodiversidade para Governos Subnacionais, Cidades e Outras Autoridades Locais, por meio da aplicação simulada de tal proposta na cidade de Curitiba, um trabalho pioneiro no país. A importância da biodiversidade ser incorporada à gestão de governos subnacionais foi reconhecida na 10ª Convenção das Partes para a Diversidade Biológica, da qual o Brasil é signatário.

Coordenados pela professora Tatiana Gadda, do Departamento de Construção Civil (DACOC) da UTFPR, estão quase 40 pesquisadores voluntários, dentre os quais estudantes, professores e outros profissionais de várias áreas, distribuídos em nove equipes: Biodiversidade; Urbanização e Geografia; Ecologia Industrial; Legislação; Governança e Gestão; Produção eConsumo; Sociologia e Desenvolvimento Social; Economia Urbana e Ecológica; e Letras Português-Inglês.

O trabalho das equipes consiste em levantar diversos dados sobre o município de Curitiba, para permitir uma análise sobre a abordagem da biodiversidade na agenda da cidade, bem como possibilitar a sugestão de propostas para melhor gerenciar sua conservação local. Semanalmente, as equipes se reúnem no espaço do Escritório Verde da UTFPR, para apresentar ediscutir o andamento dos trabalhos, como também para assistir a palestras sobre os mais diversos temas relevantes aoStudio Cidade e Biodiversidade.

Cifal Curitiba e UTFPR promovem capacitação na Rio + 20

Oficina voltada a gestores municipais utiliza metodologia internacional para simular a resolução de problemas ambientais.

No último dia 16, o CIFAL e a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) promoveram em parceria com o Ministério do Meio Ambiente, por meio das Secretarias Nacionais de Biodiversidade & Florestas e Secretaria de Recursos Hídricos & Ambiente Urbano,  a oficina BiodiverCIDADE –  Como considerar a biodiversidade na gestão do meio urbano?, durante a Rio+20 no Rio de Janeiro.

As boas vindas aos participantes e a mensagem de encerramento foram gentilmente proferidas pelo Secretário Nacional de Biodiversidade e Florestas, Doutor Roberto Brandão Cavalcanti. Houve a participação do Dr. José Puppim de Oliveira, especialista do Instituto de Estudos Avançados da Universidade das Nações Unidas (UNU-IAS) e das Dras. Tatiana Gadda e Tamara van Kaick da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) que apresentaram o contexto geral da relação entre biodiversidade e cidades. O Dr. Armin Deitenbach, do Projeto Proteção da Mata Atlântica II, concedeu a palestra final da oficina sobre os planos municipais de conservação e recuperação do bioma Mata Atlântica.

A oficina contou com a participação de representantes de 10 estados e de 13 cidades brasileiras, entre prefeitos e secretários e diretores de Meio Ambiente, que puderam conhecer e praticar  a metodologia desenvolvida especialmente para esta capacitação. A metodologia inclui a aplicação dos índices e indicadores de Biodiversidade de Cingapura, utilizado em todo o mundo para a avaliação dos serviços ecossistêmicos nas cidades.

Os participantes tiveram a oportunidade de discutir alternativas para os problemas ligados a biodiversidade de cidades em um ambiente hipotético e simularam um Comitê de Bacias para a articulação compartilhada de soluções.

Fonte: Cifal Curitiba.

Disponível: http://www.cifalcuritiba.org.br/FreeComponent13205content179748.shtml

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s